Promoção!

Regicídio – A Contagem Decrescente

10.00 9.00

Prazo de entrega aproximado: 5 dias.

REF: Z00040 Categoria:
Partilhar:

Descrição

Autor: Jorge Morais

Editor: Zéfiro

ISBN: 9789728958404

Idioma: Português

Dimensões: 16 x 23 x 1,2 cm

Encadernação: capa mole

Páginas: 208

Sinopse:

A MAIS SECRETA E PÉRFIDA CONSPIRAÇÃO DA HISTÓRIA CONTEMPORÂNEA DE PORTUGAL

Os monárquicos dissidentes e a Carbonária envolvidos no conluio para derrubar a Coroa Portuguesa.

A crónica, a par e passo, de uma trama que vitimou o Rei e o Príncipe Real em 1908 e deu lugar, 33 meses depois, ao fim da Monarquia Constitucional e à instauração da República no nosso país.

Num texto de grande rigor historiográfico e inteiramente baseado em fontes certificadas, usando uma linguagem acessível e cativante, o autor retrata o caos de uma Nação no limiar do século do povo.

O PERÍODO

Os anos de transição do Regime monárquico para a República constituem um dos períodos mais ricos da História recente de Portugal. A grande agitação republicana, iniciada com o Ultimato inglês de 1890, manteve uma pressão permanente e crescente sobre a Monarquia Constitucional até, por fim, obter o seu derrube em 5 de Outubro de 1910. Duas dissidências minaram, neste período, o sistema político e o regime: a dos regeneradores-liberais (em 1901) e a dos progressistas de José Maria de Alpoim (em 1905). Conduzida à «ditadura administrativa» de João Franco, a Instituição Real colocou-se na mira dos grupos revolucionários – e estes, com o apoio e o financiamento de destacados dirigentes políticos do campo monárquico, não desperdiçaram a oportunidade. O regicídio, em Fevereiro de 1908, marca o início da etapa final de liquidação da Monarquia, acelerada por uma eficaz rede de cumplicidades internacionais, por uma febril campanha de propaganda e pela acção de rua das Carbonárias e dos «grupos civis». Oradores inflamados, velhos políticos do «rotativismo», maçons, anarquistas irredutíveis, escritores e bombistas pontuam este período da nossa História, atravessado por intensos debates, crises, crimes e paixões.

A OBRA

O presente trabalho debruça-se directamente sobre o período de 33 meses que medeia entre a dissidência de José de Alpoim e o assassinato do Rei D. Carlos e do seu filho primogénito, o Príncipe D. Luís Filipe, no Terreiro do Paço, em 1 de Fevereiro de 1908. Integralmente sustentado em fontes reconhecidas e acompanhado por notas auxiliares, estuda a degradação do sistema «rotativo» e as dissenções nos partidos da Monarquia, os «escândalos» alimentados pela propaganda, as ligações internacionais da conspiração republicana e a glorificação dos «grandes caudilhos», a relação do Rei com a política e da Maçonaria com os republicanos, os meandros radicais das duas principais Carbonárias e a trama que no seu seio se gizou para decapitar o Trono. Todas as citações e atribuições remetem para as respectivas fontes.

Informação adicional

Peso .342 kg

Avaliações

Não existem opiniões ainda.

Apenas clientes com sessão iniciada que compraram este produto podem deixar opinião.